Exemplo De Cidadania Com Manutenção De Lotes Em Goiânia

DCIM201MEDIA

Preocupada com a saúde e também segurança pública da população, empresa do segmento imobiliário cerca terrenos em Goiânia. Nestas áreas ainda são plantadas gramas e feita a limpeza periódica para evitar o acúmulo de água e sujeiras.

Não é difícil encontrar cidades em todo o país com ruas sujas, terrenos baldios e praças públicas descuidadas. Se não bastasse a questão estética, essas situações ruins interferem diretamente na saúde, qualidade de vida e segurança pública dos moradores dos centros urbanos. Um exemplo são os lotes baldios, que podem servir de esconderijos de bandidos, abrigo para animais peçonhentos e também criadouros do mosquito Aedes Aegypti – transmissor de doenças como Dengue, Chikungunya e Zika. Mas o que muita gente se esquece é que a manutenção e retirada do mato alto e limpeza desses terrenos são de responsabilidade do proprietário.

Em Goiânia, o descuido de lotes vazios é tão comum que, quando um proprietário faz o certo, é motivo até de espanto por parte da própria população. É o que está acontecendo em bairros de Goiânia como Bueno, Oeste e Marista. O bom exemplo vem da Brasal Incorporações que, além de cumprir com seu dever, ainda se preocupada com a qualidade de vida da vizinhança e goianienses. Quatro áreas com uma média de 2 mil m² cada foram cercadas com grades, gramadas e britadas. “Além desse cuidado, as áreas são monitoradas semanalmente por uma engenheira, e no caso dos espaços gramados também há a manutenção com a jardinagem”, explica o gerente de incorporações da Brasal, Thiago Galvão .

A Brasal Incorporações tem como um de seus pilares a valorização da cidade. Nesse sentido a empresa mantem até mesmo seus lotes ainda vazios em bom estado de asseio e conservação. Para Thiago Galvão, esse tipo de atitude deveria ser espelho para todas as pessoas. Manter seu lote limpo e cercado pode evitar desde a proliferação de focos do mosquito Aedes aegypti até a invasão do espaço e segurança de quem passa em frente ao terreno. “Zelar pela cidade é um dever de todos”, afirma. Esse é um padrão que a Brasal adotou, após a autorização de demolição e efetivada compra é feita a roçagem e limpeza de todos os seus espaço. Em todos os casos também utilizam as cercas de proteção.

Dados da Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) mostram que, entre os meses de janeiro, fevereiro e março deste ano, foram vistoriados cerca de 840 lotes na capital. Desse total, 345 foram autuados pela Agência Municipal de Meio Ambiente (AMMA), por não estarem cumprindo com o seu papel de manter a roçam e limpeza do espaço em dias e a Comurg limpou 153 lotes. A medida passa longe de ser uma solução definitiva para esse problema que é de responsabilidade do proprietário do imóvel principalmente, mas que atinge a população como um todo. A falta de manutenção desses lotes baldios pode, inclusive, gerar multa ao proprietário segundo informações da Comurg. Para quem é autuado e mesmo assim não fizer a limpeza do terreno, o valor da multa vai de R$ 250 Reais a R$ 1.000 Reais, calculado de acordo com a zona fiscal do imóvel. Se forem encontrados focos do mosquito da dengue, o preço pelo deslise pode chegar a R$ 16 mil Reais, de acordo com a lei municipal Lei nº 8.887 de 2010.

Fonte: porta SEGS
Quarta, 27 Julho 2016 15:16
Escrito por RAQUEL PINHO E EQUIPE